Weby shortcut

Ambulatório de Disforia de Gênero da FM/HC já em funcionamento

Por Maria da Graça Silva Gonçalves.

        Está em funcionamento mais um ambulatório para atendimento ao  público em geral no Hospital das Clínicas do Universidade  Federal de Goiás. Trata-se do Ambulatório para Atendimento  da Criança e do Adolescente com Disforia de Gênero, que integra o Projeto de Transexualidade da Faculdade de Medicina,   destinado especificamente a trabalhar  com  pessoas destas duas faixas etárias  que enfrentam dificuldades nesse sentido.  O objetivo desse ambulatório  é  diminuir a   consequente angústia  dos portadores desse comportamento e  dos seus  pais com relação ao problema.

        Disforia de gênero é a dificuldade que  o indivíduo tem de comportar-se de acordo com o sexo de nascimento.  Segundo especialistas, esse não é um problema raro  entre crianças e adolescentes,  mas é importante ressaltar que entre as crianças,  em cerca de 80% dos casos os sintomas desaparecem até a adolescência. Já os casos que aparecem  na adolescência, é mais comum  permanecerem os sintomas,  ou seja,  a não aceitação do corpo. Por isso a necessidade de  acompanhamento médico multiprofissional para diminuir   o sofrimento tanto dos adolescentes como das famílias.

          Para a coordenadora do Projeto de Transexualidade da Faculdade de Medicina  e do Hospital das Clínicas da UFG, Professora Mariluza Terra Silveira, quem tem disforia de gênero na fase adulta nada vai mudar. Segundo ela, na infância e adolescência, o mais comum  - cerca de 90%  - são casos de gênero feminino com tendência para o  masculino. Já com relação aos casos de disforia  registrados  na fase adulta,  predomina a não aceitação de gênero do masculino, com preferência para o feminino.

           A Professora Mariluza Silveira acrescenta que de um modo geral a incidência de casos de disforia de gênero é de apenas um caso em cada grupo de cem mil mulheres  (01/100.000). Já com relação ao sexo masculino,  as estatísticas apontam que a incidência sobe para um caso registrado  em cada grupo de trinta mil homens ( 01/30.000).

Listar Todas Voltar